Olhar Sociocultural para a promoção da extensão rural agroecológica na Amazônia.


A Organização das Nações Unidas defende a agricultura como patrimônio da humanidade e a Agroecologia como ferramenta viável para a promoção e manutenção do direito à soberania alimentar. Julga é importante, do ponto de vista científico, para conhecer os agroecossistemas e seus atores sociais. Foram acompanhadas e descritas as práticas de assistência técnica agrícola oferecidas aos agricultores da região da Tríplice Fronteira Amazônica (Peru, Brasil e Colômbia), por meio do método Observação Participante em atividades oferecidas pela Fundación Caminos de Identidad (FUCAI) e pela Fundação Nacional do Índio (FUNAI). As intervenções presenciadas tiveram abordagem sociocultural e promoveram a autonomia da comunidade. Sugere que modelos de assistência técnica com olhar sociocultural, sensíveis às realidades locais e voltados para a promoção da autonomia comunitária refletem positivamente, não nas comunidades onde são aplicados, como também em todos os territórios amazônicos.

Ver mais...

Ruth Chaparro: "A luta das mulheres é vencida de mãos dadas com os homens"

Para superar a violência e a desigualdade que atingem as mulheres em todo o mundo, a ativista colombiana e defensora dos Direitos Humanos, Ruth Chaparro, afirma que “é urgente educar os homens para o respeito” e trabalhar com toda a sociedade. “Esta luta das mulheres é vencida de mãos dadas com os homens, não poderemos fazê-lo sozinhas”, acrescentou ela em entrevista ao Vatican News.

Dentre os inúmeros efeitos que a pandemia da Covid-19 tem causado no mundo, o aumento da violência contra a mulher é preocupante de forma alarmante. Situação bem conhecida de quem trabalha incansavelmente na defesa dos Direitos Humanos, especialmente em favor dos grupos mais vulneráveis ​​da sociedade.

Neste contexto, o Vatican News entrevistou Ruth Consuelo Chaparro : comunicadora social e ativista dos direitos humanos colombiana, que trabalha com os povos indígenas em todo o país e também em outros países latino-americanos.

- Como uma primeira aproximação mundial, deve-se notar que cerca de 70% das pessoas que trabalham na saúde são mulheres. Isso significa que é um grupo altamente exposto, por exemplo, à propagação da Covid-19. Por outro lado, em alguns países mais de 60% das mulheres, meninas e adolescentes trabalham na chamada “economia informal” associada à baixa renda. Considerando que a violência contra as mulheres aumentou durante a pandemia, como você descreveria a realidade das mulheres na Colômbia e em que situações as mulheres são mais vulneráveis?

A situação é diversa porque existem alguns grupos de mulheres privilegiadas mas a grande maioria encontra-se em condições desiguais.

Ver mais